sexta-feira, 31 de março de 2017

DESPERTANDO O CONHECIMENTO - O EU SUPERIOR E AS NOVAS ENERGIAS

O EU MAIOR E AS NOVAS ENERGIAS


 
Todos sabemos que novas energias estão a chegar à Terra quer por conjunções astrológicas raras, quer canalizadas através do nosso sol, via centro da galáxia.

Estas energias estão a mudar as mentalidades e como consequência a nossa vida na Terra está a mudar também.

Não é preciso acreditar na Ascensão para ver que algo de novo está aí, paira no ar e podemos senti-lo mesmo que não sejamos sensitivos.

Não me lembro de ver tamanha contestação, de tanto desassossego e de tantas revoluções no mundo, desde os anos 70…

Existem muitas opiniões sobre o que nos está a acontecer como seres humanos durante este processo.

 
A Mudança

Aquilo que todos vemos no aspeto material é um enorme processo de perdas de bens, mudanças de carreira, desemprego e mudanças de status profundas.

Aquilo de que gostávamos antes, já não é mais aceitável, quer seja em termos de alimentação, amizades, hobbys e até trabalho.

As relações que pareciam estáveis e profundas têm sido quebradas e substituídas por outras que parecem muito improváveis.

Eu tenho a minha opinião…

Como sempre vejo tudo em termos energéticos e sei que fisicamente, em 3D duas coisas não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo…

Portanto, existem coisas e situações a serem substituídas neste processo, e coisas e situações diferentes têm energias diferentes associadas, em última análise é isso que as distingue.

As novas energias são cada vez mais altas, têm uma frequência maior, por isso existe cada vez mais gente que toma consciência do seu Eu Maior e vê que a vida que levava antes já não serve mais.

Para alguns essa consciência é dramática, o seu Eu Maior tem um nome pomposo e apresenta-se com asas tendo pelo menos 8 metros de altura.

Para outros é um processo suave…Ele diz-nos (só o sentimos, nem o vemos bem, embora saibamos que ele e nós somos UM) que sempre estivemos juntos, está ali para nós, como sempre esteve e quer conversar.

Estas diferentes versões do primeiro contato, dependem do “gap” entre as energias do corpo físico e as energias do Eu Maior.

De qualquer maneira, essa consciência, mesmo que seja apenas um vislumbre, revolve a nossa vida inexoravelmente e sabemos que temos de mudar “TUDO”.


Cultivando a convivência com o Eu Maior

Porém, viver aqui na Terra não é fácil, as energias ainda são baixas e estamos todos a passar um mau bocado, com a libertação de energias densas, neste processo de substituição.

Por isso a solução é cultivar a convivência com o Eu Maior o máximo possível. Ele não só nos vai ajudar a acomodar energias cada vez maiores, como nos vai consolar em tempos de tristeza e provação.

Algumas religiões e credos chamam-no de o “Grande Consolador” e de “Espirito Santo”. Isto é absolutamente correto e apropriado mas, eu prefiro não usar estes termos para o meu próprio eu Maior e dou-lhe uma alcunha muito privada e carinhosa.

Assim mantenho uma maior proximidade e familiaridade pois a primeira coisa que ele me fez sentir é que eramos UM e O mesmo…

Os yogas diziam que esta é a fase de deixar de pensar em termos de EU para pensarmos no NÒS.

O que se fazia antigamente seria rezar a “Algo” mais poderoso e exterior a nós, em retiro privado e sossegado.

Bom, agora podemos conversar em qualquer situação e termos a certeza que no mínimo sentiremos a resposta apropriada…

Como?

 
A energia da conclusão do processo mental, aplicado como pensamento sobre algo, vai deixar-nos em Paz connosco e com o Mundo e essa é a melhor resposta para os nossos dilemas quotidianos.

Infelizmente as pessoas perderam esse hábito de refletirem sobre os seus assuntos em paz e sossego.

Uma mente arrumada está sempre mais preparada para enfrentar os desafios diários.

Se pensava que a solução era mais espetacular que isto desengane-se…é de uma simplicidade muito delicada e amorosa.

Não estamos sós, nunca estivemos, nem nunca estaremos…;)))
 

Conselhos Básicos

Um corpo são tem mais hipóteses de acompanhar estas mudanças energéticas com sucesso.

Trate de si, coma alimentos com mais energia, mais frescos e com menos químicos, faça exercício regular, conviva com os amigos e pessoas que lhe fazem bem à alma e evite o contato prolongado com fontes de campos eletromagnéticos de baixa frequência.

Este último é muito importante e ainda muito desconhecido.

Todos os que me leem têm computador e passam muito tempo a usá-lo das mais diversas maneiras.

Se faz parte do seu trabalho, é difícil mudar porque é o seu modo de vida, mas faça pausas frequentes estique as pernas, de preferência na rua ao ar livre, ao vento…

Se tiver alguma árvore perto do trabalho, coloque-se debaixo dela na hora do almoço, se trabalhar perto do mar passeie e olhe para o verde azulado deste.

O vento, a energia do mar e das árvores e o verde de ambos vai ajudar a restabelecer o seu próprio campo magnético.

Pode também fazer o exercício da armadura energética antes de ir trabalhar.

Outros eletrodomésticos e até máquinas têm o mesmo efeito no nosso campo eletromagnético enfraquecendo-o.

Devemos cuidar do nosso campo eletromagnético todos os dias, procurando restabelece-lo para bem da nossa saúde mental e física.

Este campo eletromagnético privado é que permite a nossa ligação ao Universo e ao Eu Maior…bem como o fato de continuarmos vivos em 3D.

Todos o possuímos seja ele mais ou menos forte.

A ligação ao Universo é subestimada também, porque não pensamos no Universo como sendo energia e na energia como sendo informação e sustento.

Somos feitos de maneira a ter acesso a TUDO isso.

Porém nem tudo nos interessa, por isso temos o nosso Eu Maior para nos guiar e discernir sobre o que nos convém.

Não precisamos que outros nos guiem, temos o nosso Eu Maior ou Capitão da nossa Alma. (1)
 
No entanto, devemos estar atentos aos sinais que os nossos irmãos nos mostram, porque parece que assim que nos habituamos a pensar em termos de NÓS, todos têm uma mensagem para nos dar (até a Natureza)…
Por isso, devemos estar atentos e usar o nosso livre arbítrio, decidindo depois o que é melhor para o Bem Comum…