terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

SAÚDE E EQUILÍBRIO - Endometriose: Saiba reconhecer e tratar

Endometriose




Atendendo a pedidos, hoje nosso artigo é sobre Endometriose, uma doença que atinge muitas mulheres e que ainda não é muito divulgada, portanto, se você sofre de fortes cólicas que pioram a cada mês, aumento do fluxo menstrual, dores abdominais e dor durante a relação sexual, saiba que esses são alguns dos sintomas associados à endometriose, doença que é caracterizada pela presença de tecido endometrial, que reveste o útero internamente e que atinge aproximadamente 15% da população feminina, com idade entre 15 e 45 anos.

Infográfico para entender as três fases do ciclo menstrual

sintomas da Endometriose

O que é Endometriose
Antes de mais nada, para entender o que é Endometriose é preciso saber o que é endométrio, uma mucosa que reveste a parede interna do útero, sensível às alterações do ciclo menstrual, e onde o óvulo depois de fertilizado se implanta, assim, quando não há fecundação, boa parte do endométrio é eliminada durante a menstruação, e o que sobra, volta a crescer e o processo todo se repete a cada ciclo. Então, a Endometriose nada mais é que uma afecção inflamatória provocada por células do endométrio que, em vez de serem expelidas, migram no sentido oposto e caem nos ovários ou na cavidade abdominal, onde voltam a multiplicar-se e a sangrar.

Como engravidar depois dos 35 anos com saúde

O que é Endometriose
Mas apesar das dores e de todo o desconforto, e Endometriose é uma doença benigna, cuja característica é o crescimento anormal de tecido endometrial fora do útero, sob a forma de retalhos, nódulos, lesões ou tumores. Vale ressaltar que essa doença afeta 10% das mulheres durante a idade reprodutiva e que pode levar a infertilidade.

Geralmente o endométrio encolhe para crescer de forma anormal nos ovários, nas trompas de Falópio, nos ligamentos que sustentam o útero, na bexiga e no intestino grosso, que como são tecidos originados do útero, aqueles nódulos característicos da endometriose estão sujeitos, assim como o endométrio, à influência do ciclo hormonal e ao sangramento caraterístico da menstruação e é aí que iniciam os principais sintomas da doença, pois o sangue produzido fora do útero não tem por onde sair e o resultado é a degradação do próprio sangue e dos retalhos de tecido endometrial dentro do organismo, que é o que causa tanta dor, inflamação, formação de cistos e até a infertilidade.

Dicas imperdíveis para aliviar os sintomas da TPM

Porém, vale frisar que, na maioria das vezes, essa infertilidade causada pela endometriose pode ser revertida com tratamentos específicos e na pior hipótese, a mulher é submetida a um tratamento de fertilização in vitro, que tem feito enorme sucesso, até mesmo com mulheres com antecedentes de endometriose.

Sucos para mandar a TPM para bem longe

A forma mais grave da doença é a Endometriose profunda, cujas causas ainda não estão bem definidas, mas se suspeita que um dos motivos seja que parte do sangue reflua através das trompas durante a menstruação e se deposite em outros órgãos ou mesmo se desconfia que a causa possa ser genética e esteja relacionada com possíveis deficiências do sistema imunológico.

Porém, muita calma nessa hora, nada de desespero, pois apesar de não ter cura definitiva, a endometriose possui várias opções de tratamento, e depende do grau da doença e dos sintomas para a escolha do tratamento adequado.

Dor de cabeça: Dicas para entender e combater

É importante que se saiba, no entanto, que a endometriose é uma doença progressiva e a falta de tratamento vai causando processos de aderências e infiltração dos focos da doença em órgãos vizinhos, podendo até atingir o intestino, os ovários e a bexiga, podendo causar a infertilidade em casos avançados e quadros de dores crônicas, mesmo fora do período menstrual, que não melhoram nem com medicações analgésicas



Causas da Endometriose

Bem, embora não se saiba exatamente o que causa a Endometriose, uma das suspeitas recai sobre os fatores ambientais, além da dieta alimentar, pois em estudos científicos recentes os compostos químicos organoclorados, usados na agricultura, foram apontados como fatores importantes para o desenvolvimento da endometriose entre outras doenças femininas dependentes de estrogênios como os miomas e uma variedade de tipos de câncer nos órgãos reprodutivos.

Porém, um outro estudo acredita que a origem da endometriose seja a da menstruação retrógrada, que faz com que parte do tecido menstrual retorne para os órgãos reprodutivos como as trompas de falópio e se implanta na cavidade abdominal para crescer, em seguida e um outro acredita que a origem da doença seja a da teoria embólica, segundo a qual o tecido endometrial migraria do útero para outras partes do organismo feminino através do sistema linfático ou vascular.

No entanto, mesmo com todos esses estudos, não está descartada a influência dos genes no desenvolvimento da endometriose ou de que certas famílias trariam a predisposição genética para desenvolver a doença.



Como podemos ver, o assunto ainda tem muitos fatores a serem explorados e descobertos ainda.

Sintomas da Endometriose
Sintomas da Endometriose
É importante assinalar que a endometriose pode SIM ser assintomática, ou seja, não apresentar nenhum sintoma. Mas alguns sintomas foram relatados e entre eles, a dor antes e durante o período menstrual, muito mais forte do que a cólica menstrual normal, além de dor durante a relação sexual e sangramento irregular e intenso. Outros sintomas relatados são fadiga e menstruações, acompanhadas de cólicas intestinais, dor nas costas, diarréias ou constipação intestinal seguida de mal estar e , ainda, se bexiga for afetada, pode ocorrer dor durante a micção.

Gravidez sem dores nas costas, saiba como!

Vale mais uma vez alertar que algumas mulheres podem não sentir nenhum desses sintomas, mas quando aparecem, merecem uma atenção especial, fique atenta para esses mais identificados:

* Dismenorreia – ciclos irregulares e cólica menstrual que, com a evolução da doença, aumenta de intensidade e pode incapacitar as mulheres de exercerem suas atividades habituais;

* Dispareunia – dor durante as relações sexuais;

* Dor e sangramento intestinais e urinários durante a menstruação;

* Infertilidade – muitas mulheres não conseguem engravidar e nem suspeitam que esse possa ser o motivo, que pode ser revertido na maioria das vezes.

* Vômito e nauseas

Diagnóstico da Endometriose
Diagnóstico da Endometriose

Apesar dos sintomas relatados, como já falamos, muitas mulheres não apresentam sintomas, portanto, a maneira mais segura de confirmar a doença é indo à ginecologista, só uma profissional poderá avaliar a existência ou não da doença e o seu grau, havendo suspeita, depois de passar pelo exame pélvico durante a menstruação e o ultrassom transvaginal, é a hora do ginecologista apelar para a laparoscopia, a única maneira de diagnosticar com certeza, através de um tubo com luz na extremidade para ver dentro da cavidade pélvica. É um tipo de intervenção que requer anestesia e exige um pequeno corte para introdução da sonda de exame. Através da laparoscopia, podemos saber a localização dos tecidos endometriais, o tamanho das lesões e ainda ajudar o ginecologista a definir o melhor tratamento. Só através dela a ginecologista poderá ter certeza de ser essa doença realmente ou alguma outra complicação com sintomas semelhantes aos da endometriose, como a inflamação pélvica ou a síndrome do intestino irritável.

Tratamentos



Tratamentos contra Endometriose
Pois é, a má notícia é que a endometriose não tem cura, porém, ela pode, perfeitamente, ser controlada com tratamento e até através de uma alimentação especial ou a suspensão da menstruação.

Nos casos de grau leve de endometriose, pode-se fazer uso de diferentes medicamentos hormonais, a fim de bloquear o estimulo que ocorre sobre as lesões de endometriose, diminuir o processo inflamatório e os sintomas de dor. Assim, o uso de analgésicos, como paracetamol ou ibuprofen é indicado para quem tem sintomas leves e não é preciso se preocupar com a infertilidade.

Porém, nos casos mais graves e para quem planeja ter filhos a alternativa é mesmo a cirurgia conservadora de cauterização dos tecidos inflamados por meio da laparoscopia. E ainda, as mulheres que não desejam ou não querem mais filhos podem controlar a endometriose com o uso de anticoncepcional oral ou injetável de progestogênio. Esta terapia interrompe a menstruação, levando o endométrio a atrofia por longo período, de meses até vários anos após sua interrupção. O tratamento com o hormônio GnRH, que imita o que o organismo produz naturalmente é uma alternativa para os casos de endometriose grave. A substância leva o organismo a entrar em uma espécie de menopausa controlada.

E ainda, em casos mais avançados de endometriose, em que já esteja instalado na região do intestino, por exemplo, bexiga chamada endometriose profunda, uma outra alternativa é a cirurgia robótica, que pode atuar significantemente em doenças ginecológicas benignas que, por vezes, comprometem a capacidade reprodutiva da mulher, pois sua tecnologia permite uma visão mais precisa e detalhada da região a ser operada, garantindo melhor recuperação e um menor tempo de hospitalização

Alimentação adequada

queijos-61741

É fundamental que se mantenha, paralelamente aos tratamentos medicamentosos, uma dieta balanceada, para corrigir deficiências de certos nutrientes e atenuar os sintomas da endometriose. Além disso, é importante saber que as vitaminas, minerais e ácidos graxos essenciais obtidos por meio de uma alimentação adequada e de suplementos, podem ajudar na recuperação da fertilidade e no alívio do processo inflamatório, isso além de reduzir drasticamente o sofrimento de quem tem que conviver com a dor, já que esses nutrientes melhoram a resistência à dor.

Leite, queijos e iogurte auxiliariam a reduzir o risco da doença, de acordo com um novo estudo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos e, acredite, as fontes mais gordurosas são também as mais protetoras, e isso faz sentido, uma vez que as gorduras participam da formação dos hormônios, e a endometriose está associada a desarranjos hormonais.