segunda-feira, 9 de novembro de 2015

DESPERTANDO O CONHECIMENTO - AS LEIS ESPIRITUAIS E OS RELACIONAMENTOS

AS LEIS ESPIRITUAIS E OS RELACIONAMENTOS 


Algumas pessoas me pediram para escrever um artigo sobre o carma e os relacionamentos, mas como a lei do carma é apenas uma das leis que regem o destino das pessoas, resolvi ampliar o tema visando uma compreensão mais holística do mesmo. Obviamente, isto representa apenas um recorte, uma percepção baseado em minhas pesquisas, meditações, experiências e vivências . A base principal para este estudo são os princípios herméticos contidos no Caibalion de Hermes Trimegistro. Boa leitura!

O universo é regido por forças, poderes e leis. No mundo físico, existe a força da gravidade, as correntes eletro-magnéticas emitidas pelos astros , as forças da natureza como, por exemplo, os ventos, as correntes marítimas, o eixo magnético da terra além de uma infinidade de leis desconhecidas que regem o mundo físico e extra-físico. 
A vida das pessoas – individual e coletivamente-também é regida por leis e forças. Assim, temos a lei de causa e efeito (carma), a lei de sete – também conhecida como lei de oitava- a lei da evolução, o princípio da vibração, o princípio dos gêneros, do fluxo e da polarização. 
Estas leis e princípios sempre foram conhecidas dos antigos mestres, estão presentes em todos os livros sagrados, em antigos oráculos como o Tarô e o I Ching, e foram detalhadamente explicadas no livro “O Caibalion” de Hermes Trimegistro. Para o presente estudo, trataremos apenas de alguns que estão mais diretamente relacionados com o assunto.

Primeiramente, vamos falar da lei do carma, causa e efeito, ou Lei da Atração. O que é o carma? O carma é o que sou, o que faço, sinto e penso. Quando penso, falo, sinto, ajo, ou desejo algo, emito frequências ou padrões vibracionais que retornam para mim com a mesma intensidade e natureza. Assim, se sou uma pessoa amorosa estou emitindo amor e é isso que retorna pra mim. Recebo aquilo que emito, e emito aquilo que sou. Se sou uma pessoa feliz- atraio felicidade. Se sou uma pessoa amargurada, pessimista, mesquinha e cruel- é isso que atrairei pra minha vida.

 
Mas o carma não é a única força cósmica que atua em nossas vidas. Na verdade, todos estão constantemente expostos a ação de várias forças espirituais/vibracionais, de todo tipo e natureza. O universo inteiro está sempre emitindo forças que também influenciam nossas vidas- daí o sentido da Astrologia , do Feng Shui, Cromaterapia, Aromaterapia etc. Essas forças estão em constante movimento e atuam umas sobre as outras em relações diferenciadas que podem ser de conflito, integração, anulação, cooperação, oposição, desintegração, renovação, transformação, continuação etc.

Já que tudo no universo vibra e emite energia , o ser humano é uma poderosa bateria viva que transmite e recebe energias . Daí a importância do meio e das pessoas com quem você mantém contato ou se relaciona seja em casa, no ambiente de trabalho, na escola, ou mesmo no simples contato social. Ambientes alegres e positivos, com pessoas que vibrem positivamente, trará boas influências não somente para si, mas para aqueles que estão ao seu redor.

É importante perceber também a qualidade das impressões que se recebe do meio e o que elas ativam em nós –pois o que ela ativar, será o que vamos emitir e, consequentemente, receber. 
Daí a importância de selecionar o que vemos, pensamos, ouvimos, lemos e assistimos. Evitar ler, ouvir e assistir notícias ruins é um bom caminho para se proteger de acontecimentos negativos que certamente influenciarão os relacionamentos. 
Afastar-se de pessoas invejosas, negativas e de ambientes negativos certamente ajuda a diminuir as brigas e os desentendimentos. 
Procurar morar em um local com uma boa vizinhança também contribui para a diminuição dos conflitos e problemas familiares . Não quer dizer que seja determinante, mas com certeza é um elemento que não deve ser desprezado na questão dos relacionamentos.

Outra lei ou princípio que explica muita coisa nos relacionamentos é a Lei da atração dos Opostos. É através do conflito entre forças opostas que se dá o processo evolutivo . 
Por isso, existem pessoas tão diferentes vivendo juntas. Alguém desregrado e inconsequente vai sentir-se atraído por alguém mais contido e sensato. Uma pessoa muito materialista será atraído por alguém mais espiritualizada e desapegada. 
Alguém organizado, perfeccionista e metódico sentirá atração por alguém mais solto, desleixado e desorganizado. Uma pessoa doce e meiga pode vir a se casar com alguém rude e grosseiro. 
E assim por diante. É através do embate de forças opostas que ambos viverão experiências fundamentais à evolução do espírito. Cada um passa para o outro algo de si e também recebe do outro aquilo que lhe falta, que precisa reforçar ou desenvolver.

É importante lembrar que este aprendizado é mútuo e de via dupla, pois mesmo uma pessoa muito espiritualizada , por exemplo, deve aprender a lidar com a materialidade de maneira sábia e sensata. Uma pessoa sexualmente recatada e contida pode sentir atração por alguém sensual e lascivo pois é uma forma de aprender o sentido e a importância dos prazeres do corpo . É no embate dos opostos que nasce uma nova personalidade mais madura e equilibrada.

 
A lei de sete, ou lei de oitava, explica por que boa parte dos relacionamentos sofrem grandes abalos ou se acabam dentro do ciclo de sete ou oito – ou próximo a isso. Gurdjieff foi um grande estudioso dessa lei, segundo ele, todas as coisas na vida são regidas por um ciclo de sete ou oito, depois disso vem um intervalo. É nessa hora que uma força maior tem que entrar em ação para manter a continuidade do ciclo ou adiar sua quebra. 
Isso explicaria, por exemplo, por que alguns relacionamentos continuam mesmo após o ciclo de sete. É que uma força maior ou energia foi movida impedindo ou adiando sua quebra, podendo até mesmo iniciar um novo ciclo dentro do próprio relacionamento. Algumas dessas forças movidas pelos casais são: a fé, os princípios religiosos , o senso de responsabilidade familiar, um forte sentimento de amor ou atração entre ambos, o medo do desconhecido, a força de vontade etc etc.

Além disso, muitas vezes o ciclo termina, mas as pessoas continuam juntas por algum motivo desconhecido. Mesmo nesses casos, o ciclo terminou pois acabou a admiração, o tesão e a idealização. Surge então um novo ciclo baseado em outros princípios que pode ser o da amizade, da afinidade, do medo, dos valores sociais, comodismo ou outro motivo qualquer. Lembrando que os grandes ciclos de sete ou oito são entrecortados por pequenos ciclos também de sete e oito. Isso explicaria a curta duração de alguns relacionamentos.

A Lei da Evolução é talvez a mais importante de todas pois ela é o eterno movimento, o eterno fluxo que move o destino dos mundos e dos seres. É ela que dá um sentido cósmico aos relacionamentos e é ela que une e separa as pessoas . Um relacionamento continua até o momento em que contribui para o processo evolutivo dos seres- e termina quando esse processo cessa ou estagna. Por isso, é ilusão achar que algo é para sempre- pois nada é para sempre. O destino de tudo que existe é a evolução, o movimento, o crescimento. E se , por alguma razão, isso deixa de acontecer, a lei da evolução cuidará de “empurrar” a pessoa para outros caminhos com mais condições evolutivas. Um relacionamento pode até durar uma vida, duas, três ou várias. Mas tudo está sujeito à separação, dependendo das forças e energias que se manifestem ao longo da jornada infinita da alma . Obviamente, a reencarnação é apenas uma hipótese, mas ela explica parte das estranhas coincidências, atrações, simpatias e antipatias que ocorre entre as pessoas.

Ter sido o parceiro de alguém noutras encarnações não significa que esta pessoa deva viver com a outra na presente encarnação. Pelo contrário, se uma das pessoas, através de experiências, vivências e aprendizado conseguiu evoluir saindo de um patamar evolutivo inferior para um nível evolutivo superior, é muito provável que venha a separação. Mesmo que seja temporária, ela é necessária pra que o processo evolutivo possa continuar. Em alguns casos os relacionamentos estão ligados ao processo evolutivo de terceiros como, por exemplo, os filhos. Nesses casos, todos contribuem para a evolução e crescimento dos demais.

Baseado na concepção acima, é possível acontecer situações no mínimo curiosas. Mesmo que duas pessoas se amem ou se gostem pode ser que elas tenham que se separar . É como numa escola onde os amigos são separados apesar de suas afinidades e afeições. Se uma delas estudar mais do que a outra, será promovida para a próxima série, enquanto o outro pode passar vários anos na mesma. As afinidades entre as almas deu origem ao mito da alma gêmea . Todavia, não existe apenas uma alma gêmea, mas sim várias. Elas são aquelas pessoas que estão numa faixa evolutiva de espiritualidade e afinidades muito próximas umas das outras. O Destino une pessoas que tem a maior possibilidade de ganho evolutivo para ambos. Por isso é que muita gente se vê dividida: gostando de uma pessoa, se sentindo atraída por outra e termina ficando com uma terceira que muitas vezes nem gostava tanto. Separadas por circunstâncias diversas desconhecidas, muitas dessas pessoas voltam a se unir num futuro próximo ou em outras encarnações – ou não.

A visão romântica do mundo, que inclui ideais de amor eterno, alma gêmea e principe encantado- é apenas uma visão à qual o sujeito se apega na tentativa de dar sentido à vida. Em alguns casos, ambos se apegam tanto a essa visão que acabam “criando” esta realidade, perpetuando-a por uma vida toda- ou vidas .Isso, porém, pode não durar eternamente- pois nada é para sempre. Em alguns casos, o indivíduo movimenta uma energia poderosa- através da fé, orações e mentalizações- conseguindo, assim, adiar ou anular o processo separativo. Mas não por muito tempo. Logo, logo o Destino haverá de se impor, levando as pessoas a uma nova situação, inaugurando uma nova fase de crescimento e aprendizado. Ao não aceitar o destino, o sujeito dá claros sinais de imaturidade espiritual o que resulta em decepções e sofrimentos futuros. Estas são necessárias para que o sujeito possa compreender os próprios erros e ilusões e assim possa amadurecer e evoluir.
 
Concluindo: há diversas forças e leis que regem os relacionamentos, e não apenas uma. A lei do carma, a atração entre os opostos, a lei de oitava e a lei evolutiva são apenas algumas delas. O Destino é apenas um outro nome para esse conjunto de leis e princípios sob os quais toda humanidade vive. Isso não implica dizer que os românticos estão errados em sua visão- mas é apenas uma visão. Assim como os chamados deterministas, realistas e pessimistas representam outras visões. Todas elas podem estar certas e erradas ao mesmo tempo pois quando se acredita piamente em algo, isso passa a ser verdade em um nível mais pessoal e subjetivo. O ideal seria se não procurássemos moldar os fatos com nossas crenças e visões, mas observar o movimento da vida, deixando que ela se revele como ela realmente é.

Baseado em tudo o que foi exposto acima, termino dizendo o que costumo dizer sobre os relacionamentos: o que o Destino une ninguém separa. Mas quando Ele separa, ninguém une. Quando se diz que o homem é senhor de seu destino está se falando da lei do carma, ou lei da atração. E quando se diz que é o Destino quem governa nossas vidas, estamos falando das outras leis universais que regem o universo e a vida em geral. Leis sob as quais todos – desde os átomos, passando pelo homem e deuses, até as galáxias e os universos- vivem e devem, mesmo contra a vontade, sujeitar-se .

Um abraço a todos!
Namastê!
Alsibar