domingo, 7 de setembro de 2014

SAÚDE E EQUILÍBRIO - Por que a infecção urinária é mais comum nas mulheres?

Por que a infecção urinária é mais comum nas mulheres?



A infecção urinária ataca 25% da população feminina, sem distinção de idade. Entenda qual diferença na anatomia das mulheres favorece essa doença



Se a infecção urinária é mal cuidada, pode até prejudicar os rins

O ataque de bactérias ao sistema urinário é capaz de provocar uma vontade de fazer xixi a toda hora, um ardor e uma dorzinha que insistem em aparecer nas idas ao banheiro. “A infecção mais comum é chamada cistite e acomete a bexiga”, revela o urologista Gustavo de Alarcon, do Hospital São Luiz, de São Paulo. Se não for tratada direito pode atingir os rins e, daí, passa a ser conhecida como pielonefrite. Febre, mal-estar e pontadas na lombar – região acima do bumbum – denunciam que os micro-organismos alcançaram esses órgãos, o que afeta funções como a de filtrar as impurezas.


Mulheres, as maiores vítimas

A culpa é da uretra, canal por onde passa a urina, que é bem mais curta nas mulheres. Os homens são protegidos porque, como ela é até cinco vezes maior neles, os micróbios não chegam à bexiga com facilidade. A gestação torna a mulher ainda mais vulnerável por causa de alterações hormonais e baixa imunidade. O uso de sonda, o estresse e a mania de segurar o xixi também colaboram.


Uma bactéria que vem do intestino

Escherichia coli é a maior vilã entre os casos de cistite. Ela atua na digestão e costuma fixar moradia no intestino. Mas quando vai parar no lugar errado, ou seja, no aparelho urinário, lá vem encrenca. Por isso, a limpeza com papel higiênico deve ser feita de frente para trás e não ao contrário. Não se esqueça!


Remédio que livra do mal

Para dar um fim às bactérias que causam todo esse prejuízo, a melhor saída é usar antibióticos. O medicamento deve ser escolhido pelo médico após um exame minucioso que aponta o tipo de microorganismo. E precisa ser tomado direitinho. Errar a dose, abandonar o tratamento ou exagerar contribui para a resistência bacteriana. Isso fortalece o exército dos micróbios e dificulta sua extinção.


Laranja pode?

Limão, abacaxi, kiwi e outras frutas ácidas são acusadas de piorar a infecção urinária. Mas, segundo Alarcon, não é preciso excluir esses alimentos do cardápio, até porque eles favorecem o sistema imunológico. Basta não exagerar. Agora, o que realmente prejudica pra valer é o tabagismo. Isso porque o cigarro dispara reações inflamatórias em todo o organismo.


Você sabia?

A infecção urinária ataca 25% da população feminina. Desde a menina que não se limpa direito até a senhora na menopausa, todas são candidatas. E quem trata é o urologista!