segunda-feira, 15 de agosto de 2016

DESPERTANDO O CONHECIMENTO - O QUE É UM DECRETO, USANDO O PODER DAS PALAVRAS...

O PODER DE DECRETAR


Todos temos esse poder...
 
 

Decreto

Segundo o dicionário, decreto significa: Vontade pré-ordenada, édito ou comando, decisão de autoridade, declaração, lei, regulamento ou lei religiosa; um mandamento ou comando.

Decretar. Decidir, declarar, determinar ou ordenar; comandar ou impor; invocar a Presença de Deus, sua consciência/energia/Luz, seu poder e proteção, pureza e perfeição (uso da Ciência da Palavra Falada).

Está escrito no Livro de Jó - “Determinando (decretando) tu algum negócio, ser-te-á firme, e a luz brilhará em teus caminhos”.

O decreto é a mais poderosa de todas as solicitações à divindade.

É o “demandai-me ordens” de Isaías 45:11, comando original à Luz, que, assim como “Faça-se a luz”, é o direito inato dos filhos ou filhas de Deus.

É a Palavra autorizada de Deus, dita no homem em nome da Presença do EU SOU e do Cristo vivo para efetuar a transformação construtiva na Terra, por meio da vontade de Deus e de sua consciência, assim na terra como no céu – na manifestação aqui, embaixo como no alto.

O decreto dinâmico oferecido com louvor e petição ao SENHOR Deus é a “fervorosa e eficaz prece do justo” que é de grande valor.

Por meio do decreto dinâmico, dito com alegria e amor, fé e esperança na graça de Deus, o suplicante experimenta a transmutação pelo fogo sagrado do Espírito Santo, o “julgamento pelo fogo”, por meio do qual todo pecado, doença e morte são consumidos e a alma justa é preservada.

O decreto é o instrumento do alquimista e a técnica para a transmutação e auto-transcendência pessoal e planetária.

O decreto pode ser curto ou longo, e é geralmente caracterizado por um preâmbulo formal e uma conclusão, ou aceitação.

“Hoje em dia, não existem na Terra orações capazes de levar o planeta à Era de Aquário que possam comparar-se aos decretos escritos por Mark Prophet”.

O PODER DA PALAVRA




A Ciência da Palavra Falada descreve o uso da voz e do chakra laríngeo (da garganta) na recitação de mantras, salmos, orações, invocações, afirmações, cânticos de alegria e louvor, e decretos, destinados a intensificar a ação das forças benignas no corpo planetário e no mundo individual do homem.

A Ciência da Invocação é uma das técnicas mais importantes e essenciais para a mestria pessoal, ensinada pela Grande Fraternidade Branca, onde a arte de decretar se pratica.

A Ciência dos Decretos é uma das mais eficazes formas de meditação - uma meditação consumada através do Poder da Palavra Falada.

Aplicando este método de expansão da consciência, você poderá aproximar-se da Chama da Vida existente no seu próprio ser.

OS DECRETOS

Durante anos, a consciência da maioria dos indivíduos foi carregada com imperfeição, resultante do mau uso da Energia de Deus na linguagem, criando assim muitas formas distorcidas, que são mantidas vivas pela mesma energia que as criou. Da mesma forma, se a palavra falada é doadora de paz e harmoniosa em sua expressão, a consciência se ilumina com a luz da Divindade e então o indivíduo se converte em uma Presença Confortadora para toda vida ao seu redor.

Por isso, os decretos foram apresentados ao homem, para que ele os pudesse usar para equilibrar o mau uso da palavra e os modelos de pensamento imperfeitos criados durante muitas centenas de encarnações. Para romper essas formas distorcidas, é necessário usar a energia que vibre na mesma gama vibratória, porém qualificada construtivamente.

Os decretos:
»» Atraem o descenso da Luz;
»» Atraem a atenção de um Ser Divino;
»» Atraem a assistência da Legião Angélica e Dévica;
»» Equilibram o mau uso da palavra falada através do uso construtivo do Verbo Divino em ação;
»» Direcionam a correspondente Virtude ou Dádiva para a pessoa, situação, lugar ou coisa;
»» Elevam a gama vibratória dos átomos;
»» Ajudam a consciência externa a focalizar a atenção na solução do problema e
»» Mantêm o ritmo e clareza das demandas à Luz.



O PODER DE DECRETAR

O poder da palavra falada é a autoridade do próprio processo criador. O primeiro decreto foi proferido por Deus, que disse: "Haja Luz!" e houve Luz.

Os decretos são falados pelo homem porque é o poder da palavra (ou do verbo), e nenhum outro poder no universo, que pode criar, ressuscitar, transmutar e aperfeiçoar a Imagem Divina nos filhos e filhas de Deus. Os decretos devem, por isso, serem feitos em voz alta; só quando tal não for possível é que deveis fazê-los silenciosamente.

Os Mestres explicam que, por requisito da Lei Cósmica, só lhes é permitido prestar serviço à humanidade quando haja pessoas que ofereçam as suas energias às Hostes de Luz através de orações ou decretos. As Hostes Angélicas, a quem foi pedida assistência, amplificam a energia libertada na recitação dos decretos.

Aqueles que insistem no seu desejo de meditar em silêncio, esquecem-se, com demasiada freqüência, de que há uma hora e lugar próprios para a meditação silenciosa, uma hora e lugar próprios para a oração, e uma hora e lugar próprios para decretar. Todos os três podem ser usados em serviços religiosos. Todos os três podem ser praticados individualmente em casa, ou em grupo, conforme cada um quiser. No entanto, uma forma de culto não substitui as outras.

O livre arbítrio foi concedido ao homem para que êle se tornasse senhor do seu mundo, ou seja, do plano material. Por conseguinte, Deus não intervém para modificar situações de injustiça ou infelicidade, a menos que o homem apele para Ele. Ao fazê-lo, o homem decide, de livre vontade, deixar que Deus tome as rédeas da autoridade e governe a sua vida.

Se, no exercício diário do vosso livre arbítrio e na progressiva conquista do domínio da terra, quiserdes que o mais Alto vos auxilie, tendes de mandá-lo descer ao vosso mundo, à vossa vida, orando de modo idêntico ao que Jesus ensinou aos Seus discípulos - no imperativo - dizendo: "Venha a nós o Vosso Reino! Seja feita a Vossa Vontade, assim na Terra como no Céu!".

O ritual de pedir para que possais receber, de buscar para que possais encontrar, e de bater para que a porta seja aberta, é a chave para a automestria obtida através de uma cooperação consciente com Deus.

"Não há palavras que possam descrever adequadamente o maravilhoso sentimento de paz, alegria, liberdade e bem-aventurança oferecidos aos estudantes avançados que dominaram a técnica dos decretos.
Se fizerdes os vossos decretos, não só ritmica mas também corretamente, ireis juntando nos céus os vossos tesouros pessoais e permitireis que milhões de homens presos em vórtices de cruéis emoções e sentimentos conflituosos escapem e obtenham a liberdade".
(Lord Maitreya)