sexta-feira, 19 de maio de 2017

ENERGIA E EQUILÍBRIO - CHÁKRAS E ARQUÉTIPOS FEMININOS

CHÁKRAS E ARQUÉTIPOS FEMININOS



Arquétipos femininos são figuras ou papéis psicoenergéticos vivenciados e influenciados pelo sistema de crenças do meio sócio cultural educacional e religioso e se encontram em nível do inconsciente coletivo das mulheres. 
Os diversos papéis vivenciados pela mulher contemporânea como o de mãe, filha, esposa, amante, trabalhadora, amiga, etc estão inseridos nesses arquétipos que ao mesmo tempo são nutridos pelo potencial energético e vital individual. 
Quanto mais consciente a mulher se torna da sua capacidade de autogerir e autogerenciar sua própria energia, mais facilidade terá em administrar a demanda energética nos diversos papéis que exerce em sua vida. 
Este autoconhecimento lhe permite não se perder nos papéis, não lhe faltar energia para seus propósitos sem a perda desnecessária de vitalidade e se empoderar da múltiplas facetas que a a sua Feminilidade lhe oferece.

Alguns dos principais arquétipos da mulher moderna são:
 
A GUERREIRA: é o aspecto da mulher que cumpre suas rotinas de vida cotidiana em busca da sua sobrevivência ( saúde, alimentação, moradia) sua sustentabilidade e às vezes a da sua família, vai à luta e enfrenta os conflitos e dificuldades que a vida lhe apresenta. A energia provinda do primeiro Chakra lhe garante a vitalidade, a ancoragem, força e coragem para enfrentar seus desafios.

A DONZELA : é a mulher que expressa seu potencial de juventude independente da idade cronológica e desfruta dos prazeres e a beleza que a vida lhe proporciona sem medos nem culpas. Sabe que o prazer é um direito e tem relação com a capacidade de levar a vida com flexibilidade , vulnerabilidade e leveza. Desfruta dos relacionamentos interpessoais e da sua sexualidade de forma livre e sadia. A energia do segundo Chakra é fundamental para que a energia flua como as águas trazendo um equilíbrio entre a autoridade feminina e masculina, empoderando sua Feminilidade.

A RAINHA: é o arquétipo feminino que trás poder pessoal, autoconfiança e autoestima à mulher. Esta exerce seu papel de autoridade com segurança e generosidade e não arrogância, seja no trabalho, no círculo social ou familiar. Possui um brilho próprio e ainda é capaz de iluminar o seu redor. A energia do terceiro Chákra, proporciona o combustível para ascender e manter o fogo interno que mobiliza a Rainha.

A CURADORA: é o arquétipo feminino do aspecto cuidadora que toda mulher possui. Movida pelo instinto maternal que ultrapassa o papel da maternidade, a mulher com seu amor e compaixão é capaz de transmutar dores, doenças, emoções negativas e materializar a autocura, promovendo ainda a cura dos outros. A energia sutil do quarto Chákra nutre sentimentos e emoções elevadas despertando a Grande Mãe no coração da mulher.

A FADA: é o arquétipo da mulher com capacidade criativa e comunicativa, capaz de criar e recriar, inventar e reinventar tanto a própria vida como as situações externas.
O quinto Chákra é a fonte que fornece a energia necessária para a mulher ser única, exclusiva, original, criativa e expressiva.

A Sacerdotisa: é o arquétipo da mulher sábia que compreende o propósito da vida e da sua missão na terra. Com foco e determinação busca não se desviar dos objetivos. Sabe que o caminho do seu desenvolvimento nunca acaba e por tanto sempre está ativa nas jornadas interiores. Compartilha seus saberes e experiências e conduz de maneira amorosa o desenvolvimento de outras pessoas. O sexto Chákra lhe traz a energia de centramento, inteligência e a intuição necessárias para sua jornada.

A DEUSA: é o arquétipo da totalidade feminina. A busca pela integração de todos os potenciais que uma mulher pode ter. A mulher conectada com o espiritual que se realiza em todos os níveis compreendendo a importância disto. O sétimo Chákra é a energia que a conecta com a sua intuição e os planos superiores espirituais, onde através da sua intuição se torna um instrumento do divino na terra!
Anahata Devi- Lourdes Pedretti