segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

EQUILÍBRIO E HARMONIA - Equilibrando a energia - Exteriorização de Energia - O PASSE, NA DOUTRINA ESPÍRITA - Diferença entre reiki e passe espiritual

Equilibrando a energia - Exteriorização de Energia

Resultado de imagem para EQUILIBRANDO A ENERGIA - Auto Passe - Equilibrando as Energias

Exteriorizar é a mesma coisa que doar. Doar energia é um ato de amor, um ato que nos aproxima dos seres verdadeiramente evoluídos, dos seres que desejam o bem da humanidade. Exteriorizar é diferente de jogar energia fora, exteriorizar, é doar energia em bons atos, é orar direcionando bons sentimentos á alguém ou a alguma situação, é emanar energias positivas, pelas mãos, ou  pelos Chákras, ou ainda mentalmente em algumas situações difíceis. Exteriorizar energias, gera um campo vibracional positivo ao nosso redor, que nos protege de inúmeras situações negativas, inclusive de obsessores encarnados e desencarnados.
Quando exteriorizamos energias, recebemos doses generosas da mesma energia exteriorizada, portanto exteriorizar energias positivas direcionando-as a boas ações, é um fator que gera uma limpeza e equilíbrio no campo energético. Além disso contribui enormemente para nossa evolução espiritual, e nos traz  domínio energético, quem aprende a exteriorizar energia tem muito mais domínio de suas capacidades extra-sensoriais.
Exteriorizações energéticas mais comuns


Passe magnético
Água Fluidificada
Artes de Cura
Bons desejos direcionados
Orações sinceras direcionadas
Atos de caridade sinceros
Exteriorização pelos chákras

Toda pessoa que deseja desenvolver suas capacidades extra-sensoriais, deve aprender  exteriorizar energias, e deve praticar a doação energética periódica pelo menos  alguns minutos, uma vez por semana. É bem fácil e tranquilo e muito benéfico  exteriorizar energias, assim sendo  temos infinitas possibilidades para isso. Uma forma extremamente poderosa de exteriorizar energias e que qualquer um pode fazer, é doar energia  antes de dormir apenas alguns minutos ou alguns instantes. Imaginar por exemplo o nosso planeta sendo energizado com uma luz que pode ser colorida de acordo com o que você deseje e ache que é certo. Imaginar todas as pessoas sendo energizadas, curas sendo manifestadas, pessoas sorrindo felizes, animais de rua sendo adotados, etc.. As exteriorizações podem ser feitas também com palavras por exemplo, escrever a palavra PAX no planeta, em uma cor rosa,  que simboliza o amor universal, enfim, existem infinitas formas de se exteriorizar energias benéficas.

Perguntas comuns: Exteriorizar energias atrai sugadores? Energias benéficas são emanadas com altíssima vibrações, isso afasta seres trevosos dos ambientes. Exteriorizar energias positivas no quarto de dormir, afasta de lá energias negativas, e seres trevosos, porque aumenta a vibração do ambiente, tornando incompatível a permanência deles no local.
                               Exteriorizar energias gasta energia? Não, se feita com amor, estas energias serão canalizadas dos chákras superiores e inclusive saem de outra cor. Eu por exemplo tenho a matriz  da áura verde, exteriorizo energias na cor violeta. Isso mostra que esta energia está sendo canalizada, e não retirada do próprio corpo. além disso na hora da exteriorização pode ser imaginadas várias cores, como rosa do amor incondicional, verde da cura, dourado prosperidade e proteção, violeta transmutação e cura, branco da paz, e assim por diante.
                               Exteriorizar energias de cura para pessoas doentes vai me fazer mal? Não, você pode faze-lo através de orações, bons desejos, mentalizações positivas, emanação de luzes coloridas visualizadas etc.. Estando distante da pessoa doente não há problema em emanar luz para ela, o que não se deve fazer sem conhecimento é aplicar energia com a pessoa doente presencialmente, como por exemplo Reiki ou outra arte de cura, aí neste caso tem que ser feito o curso.
                             
Observação  importante: O processo de doação energética deve ser finalizado, com palavras como Namastê, ou gratidão ao universo entre outras,  caso contrário a energia continua sendo doada sem parar. Ex: Após doar energia dizer, Namastê, obrigado pela oportunidade de ajudar, finalizado por hoje, gratidão! E colocar uma mão junto com a outra fazendo o símbolo Namastê.
Para se aplicar  energias de cura em outra pessoa  presencialmente,  é necessário fazer um curso, de arte de cura como por exemplo Reiki, Cura Prânica, Cristais, etc... E ter também um local adequado a isso. 


O PASSE, NA DOUTRINA ESPÍRITA

Passe é doação de energia psíquicas, vindo das forças espirituais. O Passe no Centro Espírita, vem da sintonia mental com os espíritos superiores, os espíritos colaboram oferecendo seus fluidos, que se casa ao magnetismo do passista, mas não é uma vinculação para incorporação, ou seja, não é um ato mediúnico. O Passe é uma doação de energias que o médium passista coloca ao alcance do indivíduo, de modo que o receptor possa ter seus centros vitais reestimulados e, em consequência disso, recobre o equilíbrio ou ajude na recuperação da  saúde, se for o caso.

O Passe é, usualmente, transmitido pelas mãos, mas também pode ser pelo olhar, pelo sopro ou, à distancia, por intermédio das irradiações mentais. A transmissão e a recepção do Passe tem relação com o poder da vontade de quem doa as energias benéficas e de quem as recebe.



Do ponto de vista “técnico”, o Passe é a ação dirigida de certos fluidos. Sua aplicação processa-se de perispírito à perispírito. Os fluidos são assimilados pelos centros de forças situados no perispírito e transmitidos aos plexos e não diretamente ao organismo físico.  E por estar o perispírto ligado ao corpo físico célula a célula, exerce sobre ele preponderante influência. 
Daí se compreende, por exemplo, o bem estar físico que decorre da ação do Passe. A energia salutar transmitida ao perispírito repercute no corpo, nos órgãos enfermos, por um processo de ressonância. É por isso que o passista não necessita tocar o corpo do assistido.

A aplicação do Passe tem como finalidade auxiliar a recuperação de desarmonias físicas e psíquicas, substituindo os fluidos deletérios por fluidos benéficos; equilibrar o funcionamento de células e tecidos lesados; promover a harmonização do funcionamento de estruturas neurológicas que garantem o estado de lucidez mental e intelectual do indivíduo. 
O Passe cuida dos efeitos. As causas de nossos males somente nós podemos remover, ou seja, com a reforma íntima, à luz dos princípios de Jesus, pois a cura verdadeira das doenças está relacionada ao processo de reajuste do espírito. Essa auto reeducação, pode extrapolar o limite de tempo de uma reencarnação. Assim, sendo o Passe apenas um instrumento de auxílio. Para prevenir-se contra enfermidades ou perturbações, não previstas na Lei de Causa e Efeito, é necessário que a pessoa defina e siga uma programação de melhoria moral, de esclarecimento espiritual.  
É por essa razão que a aplicação do Passe nos Centros Espíritas deve vim sempre depois das palestras doutrinárias, oferecendo às pessoas que procuram o benefício do Passe os esclarecimentos necessários, e despertando os assistidos para os valores nobres da vida, meditando sobre suas ações, corrigindo rumos. Se a pessoa não está disposta à renovação, com o tempo o Passe deixará de surtir efeito. No livro Mediunidade, tudo o que Você Precisa Saber, André Luiz diz que: os mentores espirituais são tolerantes.
Ajudam por dez vezes, quando nos submetemos ao tratamento magnético, aliviando nossos padecimentos. Depois disso, se continuarmos acomodados, suspendem o amparo e deixam a dor usar de seus rigores para nos convencer de que é preciso mudar.

Como deve ser o passe

O Passe na Casa Espírita deve ser silencioso, simples e natural, sem excesso de gesticulação e  de outros maneirismos, como o estalido de dedos, respiração ofegante, sopros,assovios, gemidos, massagens, aplicação de unguentos, etc. Durante o Passe não há necessidade de toques físicos no assistido, isto porque os fluidos transmitidos atuam diretamente sobre o perispírito, e não no corpo físico.
Perguntado sobre qual seria a melhor técnica para transmissão do Passe em, O Consolador, nº99, Emmanuel respondeu: “O Passe deverá obedecer à formula que forneça maior porcentagem de confiança, não só a quem o dá, como a quem o recebe. Devemos esclarecer, todavia, que o Passe é a transmissão de uma força psíquica e espiritual, dispensando qualquer contato físico na sua aplicação.
E André Luiz, adverte: “Lembrar-se de que a aplicação de passes não se faz precisa a gesticulação violenta, a respiração ofegante ou o bocejo contínuo (...). A transmissão do passe dispensa qualquer recurso espetacular.” (No livro Conduta Espírita, cap.)


Quem pode aplicar o passe

Existe um preparo para ser passista, todo serviço exige cuidado. Os Centros Espíritas devem instituir cursos de passes, dando aos candidatos orientação, conhecimento especializado, desenvolvendo o conhecimento sobre o magnetismo,mecanismo, seus efeitos,  técnicas, posturas, cuidados... Ausência de estudo é estagnação, e a aprendizagem favorece o trabalho da entidade espiritual que assiste o passista na tarefa. Para lograr bom resultado, todo trabalho espiritual necessita de preparo, esse preparo deve ser constante. É preciso muito esforço, muita vontade, muita disciplina, e perseverança na tarefa  para ir adquirindo certas condições mínimas, e continuar a desempenhar o trabalho.  

O passista deve está em bom estado de saúde física e mental, dotadas de boa vontade e disposição para ajudar o semelhante, desde que esteja devidamente preparada para tal. Em face da gravidade da tarefa, algumas recomendações se fazem necessárias. Nesse sentido o passista deve:
                - Cuidar de sua saúde física: porque há uma contribuição magnética no Passe; e do estado de saúde do passista dependerão a quantidade e a qualidade dos fluidos por ele doados. Devem abster-se de dar Passe pessoas com doenças graves, infecciosas, fisicamente debilitadas, ou em estado de desequilíbrio espiritual.
- Abolir vícios: como por exemplo, a ingestão excessiva de alimentos, consumo de fumo, tóxicos, drogas, álcool, etc., já que tais práticas, além de atraírem espíritos inferiores, impregnam negativamente os fluidos, lesionando o organismo, obscurecendo o raciocínio.
- Primar por uma conduta cristã:  o passista deve conduzir a sua vida segundo os ensinamentos do Cristo Jesus, colocando o amor no dia a dia, como base da vida. Para que seu trabalho seja cada vez mais eficiente, e que a necessidade da sua ajuda para a atividade pode surgir a qualquer momento.
- Disciplina: as atividades espirituais precisam de preparo íntimo, meditação, está sereno tanto no físico como no mental, e comprimento dos horários estabelecidos é fundamental. 
- Buscar equilíbrio emocional: não dando espaço para mágoas, ressentimentos, nervosismo e ódios, raivas...
- Alimentação: deve ser equilibrada, adequada ao organismo, sem os excessos da gula e do jejum. Hábitos alimentares sadios, com a ingestão de frutas, legumes, verduras. O trabalhador dos serviços de passe e, aliás, da mediunidade em geral, não deve apresentar-se de estômago cheio, nas horas que antecedem as atividades deve evitar a ingestão de alimentos de difícil digestão, como carnes e gorduras, de condimentos forte e de excitantes, como café, chás (exceto de ervas), etc.
- Cuidar da higiene pessoal: para evitar constrangimento aos assistidos, e como sabemos banho é fundamental e promove bem estar.
- Conduta sexual. A atividade sexual em si é instintiva, mas o seu uso é moral. O sexo só deve ser exercido com equilíbrio, nobreza, acompanhado do verdadeiro amor.
- Paciência, é indispensável a quem se dispõe a acolher os necessitados e aflitos. Equilíbrio emocional. Fé e oração.

Se o passista não estiver bem, o assistido vai depender do concurso dos mentores espirituais. Para que um passista prejudique um paciente seria necessário a intenção do passista, exprimindo pensamentos negativos diretamente para o assistido.

O ambiente onde será aplicado o passe

O local apropriado para a aplicação dos passes é a instituição espírita por contar com pessoas devidamente habilitadas para o serviço e com local adequado e preparado pelos espíritos benfeitores. Os Centros Espíritas devem ter uma sala destinada ao serviço, a chamada câmara ou sala de passes, que os mentores espirituais preparam adequadamente, com a limpeza psíquica do ambiente e a utilização de aparelhos, conforme tem sido descrito pelos videntes.
Não constitui regra geral a diminuição da luminosidade do ambiente onde se processa o serviço dos Passes, esta questão está sob à orientação da equipe espiritual da Casa. A diminuição da luminosidade deve ser feita a não ser para facilitar a concentração do assistido evitando a dispersão de sua atenção.

A aplicação de Passes só deve ser realizada fora da Casa Espírita em casos de extrema necessidade onde a pessoa necessitada não pode dirigir-se ao Centro em virtude de suas limitações físicas ou enfermidade. O passe fora do Centro Espírita tem o inconveniente de um  ambiente possívelmente desfavorável, impregnado de miasmas fluídicos de ira, maledicência, alcoólicos, fumantes, de sentimentos e pensamentos negativos, etc. 
Para esse atendimento é aconselhável designar uma pequena equipe de passistas que se dirigirá ao local onde se encontra o assistido. No ambiente de aplicação do passe só devem estar presentes os passistas e familiares do assistido que estejam em condições de colaborar.  
Tal cuidado se justifica para o exercício do intercambio espiritual seguro. Mesmo assim, é caridade atender e vencer com equilíbrio os obstáculos, quando tem um pedido sincero e um mínimo de boa vontade por parte do enfermo e seus familiares. 
O bom senso e a caridade são sempre os elementos que devem preponderar na tomada de qualquer decisão a esse respeito.  


Preparação do assistido para o Passe
Para ter uma melhor receptividade dos fluidos o assistido deve:
-  Aprimorar a sua conduta ético-moral, voltando-a para a vivência do bem.
-  Manter-se em estado de oração, respeito e fé é muito relevante, durante o decorrer da aplicação do Passe, para assimilar os fluidos que estão sendo doados;
- Mentalizar sua recuperação porque a mente tem grande participação na captação e fixação das energias.
- Acomodar-se de forma confortável. O assistido deve ficar na posição que lhe dê mais conforto físico. O Passe transmite-se ao perispírito, independente da posição do corpo físico. Dependendo do lugar, pode ficar deitado, sentado ou de pé. Mas, em qualquer caso, deverá ficar relaxado, respirando normalmente. Não há necessidade de ficar com as mãos espalmadas para cima, como se fosse “receber” algo material.

Sensações de calor, frio, tremor, suor, arrepio, choro podem ocorrer durante o passe. São, geralmente, motivadas por causas psicológicas. O misticismo, de que muitos ainda se não desvencilharam, pode provocar efeitos ilusórios variados.

Nem o passista nem o paciente precisam retirar pulseiras, colares, relógios, óculos, sapatos, etc. Tais objetos não interferem no passa, porque são de natureza diversa daquela dos fluidos.

Diferença entre reiki e passe espiritual


Resultado de imagem para EQUILIBRANDO A ENERGIA - Auto Passe - Equilibrando as Energias

Nas Fotografias Kirlian (Bioeletrografia) percebe-se emissão de energia tanto no Reiki como nos Passes. Passes podem ser de origem espiritual, magnética ou mista. O de origem magnética é formado pelos próprios fluidos vitais do médium. 

O espiritual vem do Cosmo, captada com ajuda de mentores, nesse caso, a energia captada pelo passista e pelo reikiano é a mesma, a Energia Primordial Cósmica (Rei). O passe misto é uma combinação dos dois primeiros.

A grande diferença é que o Método Reiki está fundamento em Símbolos de captação e transformação energética que faz com que a energia se apresente de forma diferente, ou seja, o canal (reikiano) tem o controle de como a energia está agindo no receptor. No caso do Passe não há como o passista a controlar. Tudo é orquestrado por uma “Sabedoria Superior”. Daí Reiki ser uma técnica, pois há o controle do emissor. 

O Reiki não está ligado a nenhuma religião, seita ou filosofia de vida.

Pode-se transmitir três categorias diferentes de energia quando tocamos algo ou alguém.
A primeira é a energia pessoal bipolar (yin e yang) gerada pelo corpo, que os chineses chamam de Chi (tchi) e os japoneses de Ki (qui). 

Nesse caso, a pessoa não precisa ser iniciada no Reiki. A utilização dessa energia em tratamentos é mais difícil. Requer do terapeuta uma intimidade razoável com tratamentos energéticos porque, se não devidamente reposta, levará a um enfraquecimento progressivo do organismo pelo desgaste (em consequência da perda da própria energia).

A segunda fonte é a energia psíquica, onde também não há a necessidade da iniciação. É a habilidade de focar com a mente através da energia do pensamento.
A terceira fonte, usada no Reiki, é a energia, sem polaridade, do Plano da Criação, de Deus, da Fonte, do Espírito Santo. 

Nesse caso, a pessoa precisa, obrigatoriamente, ser iniciada por um Mestre habilitado. O reikiano é sintonizado para que fique na frequência da energia Rei. Hawayo Takata comparava o processo de iniciação a um aparelho de rádio ou TV, sendo sintonizado em uma emissora específica. 

A energia penetra pelo chacra coronário, em espiral, no sentido anti-horário, passando por um adensamento no chacra cardíaco, para depois sair pelas mãos a ponto de ser percebida.

(explicação dada pelo Mestre Johnny De’ Carli)

Fonte:http://milenar.org/category/1-parte-primeira/2-secao-segunda/terapias-nao-agressivas/reiki/