terça-feira, 19 de abril de 2016

SAÚDE E EQUILÍBRIO - USANDO AS ERVAS MEDICINAIS, SAIBA COMO PREPARAR UM REMÉDIO CASEIRO...

O uso de ervas para saúde e equilíbrio



Explorar as propriedades terapêuticas das plantas vem dos primórdios. 

O ser humano começou a usar ervas para aliviar enfermidades e incômodos do corpo, imitando o comportamento dos instintivo dos outros animais. 

Com as ervas podemos alimentar, temperar, limpar, proteger, perfumar, embelezar, seduzir, rejuvenescer e amenizar sintomas e dores, além de trazer harmonia aos ambientes e às pessoas.

ALGUMAS ESPÉCIES E SUAS PROPRIEDADES

 

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que no início de um tratamento à base de ervas algumas pessoas podem apresentar um agravamento dos sintomas, o que significa exatamente que o organismo está começando a reagir para melhorar. Trata-se do primeiro sinal que as ervas estão atuando. 

De qualquer forma, para se ter maior segurança e tranquilidade deve-se sempre buscar orientação médica.

De acordo com a erveira Maly Caran, deve-se sempre dar um “descanso” no uso de ervas e flores com fins terapêuticos. Assim, para um tratamento de três dias com determinada erva, deve-se descansar sete.

Nesse período, se ainda for necessário continuar o tratamento, substitui-se a erva por outra com a mesma propriedade curativa. 

Para um tratamento de sete dias, descansa-se 14. Para 14 de tratamento, descansa-se 21. E 21 dias de tratamento deve ser alternado com 40 de descanso e, no caso 40 dias de tratamento, descansa-se por cinco meses. 

Porém, todo e qualquer tratamento deve ser feito com a orientação de um especialista que irá avaliar a necessidade individual de cada um. Aqui, apontamos apenas o uso popular e tradicional de algumas ervas e flores.


Alecrim: calmante e digestivo. Auxilia na cicatrização de feridas e alivia a irritação causada pela sarna. Usar a infusão das folhas.

Alfazema: calmante, refrescante e digestivo. Pode auxiliar no alívio da dor de cabeça e da dor de garganta, tosse e gases. Usar infusão das folhas e flores.

Babosa: pode auxiliar no tratamento de queimaduras, coceiras, urticárias e frieira. É popularmente usada para regenerar tecidos e células. Aplicar a parte mucilaginosa da planta (a “baba”) fresca direto sobre a lesão.

Bardana: estimula a cicatrização de feridas e queimaduras. O estresse de uma vida agitada pode acabar provocando gastrite, e essa erva ajuda a aliviar o incômodo. Também pode auxiliar quem sofre de prisão de ventre. Usar a decocção da raiz.

Calêndula: antiinflamatória e hidratante para a pele. Usar as flores para o preparo de infusos, pomadas e óleos.

Camomila: calmante tradicional auxilia ainda no alívio de dores de cabeça. Ajuda a tratar de gripes e irritações estomacais. Usar o infuso das flores.

Capuchinha: usada em tratamento da pele, como feridas – até mesmo as de difícil cicatrização -, alergias e psoríase. Fonte de vitaminas e sais minerais, pode ser consumida crua e fresca, em forma de salada. Para uso externo, aplicar o suco das folhas e flores direto no local ser tratado.

Cavalinha: pode aliviar o desconforto de quem sofre de reumatismo, bronquite e cistite. Estimula ainda a cicatrização de cortes. Fazer decocção da planta inteira.

Centelha-asiática: ajuda a combater e evitar celulites. Usas as folhas para o preparo de infusos, banhos e cremes.

Cerefólio: pode ser usada na prevenção de rugas. Também proporciona bem-estar a quem sofre de asma e reumatismo. Usar as folhas para preparo de infusos e cremes para a pele.

Erva-cidreira: contra mau hálito, gripe, tosse. É apontada ainda para melhorar a qualidade do sono, até evitando pesadelos. Usar a infusão das folhas.

Guaco: geralmente usada para ajudar no alívio de inflamações na garganta, reumatismo e dores musculares. Também é apontado como eficiente auxiliar no tratamento de crises de asma e bronquites. Usar xaropes, óleos e cataplasmas das folhas.

Hortelã: combate, claro, o mau hálito e também é usada para aliviar náusea, dor de cabeça, tosse e os sintomas da asma. Fazer infusão com as folhas.

Manjericão: calmante e ajuda no combate de mau hálito. Fazer infuso das folhas ou utilizá-las em forma de banho e óleos.

Manjerona: ajuda a aliviar dores de barriga e gases. Usar o infuso das folhas e flores, que também podem ser utilizadas em forma de inalação para aliviar os sintomas da gripe.

Mil-em-rama: ajuda no combate ao cansaço e à insônia. Utilizar as folhas para preparo de infusão, banhos e cataplasmas.

Nirá: pode auxiliar no combate a intoxicações provocadas por metais pesados, como quando a pessoa se contamina com produtos agrotóxicos. Na exclui o tratamento médico convencional, claro. Utilizar as folhas cruas, ingerindo-as como tempero, ou aplicando seu suco fresco sobre o local atingido.

Rosas: limpa e hidrata a pele. Combate celulite e rugas. Usas as pétalas (sempre utilizando rosas sem agrotóxicos) para preparar infusos, óleos, cremes e banhos.

Sabugueiro: pode auxiliar no tratamento da obesidade. Além disso, ajuda a aliviar as dores causadas pela artrite e o mal-estar causado por um resfriado. Usar a infusão das flores.

Sálvia: estimula a memória. É apontada como uma espécie de tônico para o cérebro. Pode ser usada para aliviar sintomas do estresse de uma vida muito agitada. Usar o infuso das folhas.

Tanchangem: auxilia no combate à anemia e também alivia ardor no estômago. Pode ajudar ainda no tratamento dos sintomas da herpes. Usar as folhas para banhos. Também podem ser ingeridas cruas, em forma de saladas. Com o sumo fresco, em forma de suco, pode-se fazer bochechos e gargarejos para combater aftas e gengivites. Pode haver alguma reação alérgica; portanto, teste antes.

Tomilho: ajuda a clarear manchas de acne. Pode auxiliar nos tratamentos de reumatismo, dor de garganta e resfriado. Usar as folhas para o preparo de infuso, pomada, xarope e óleo.

Urucum: comumente usado para proteger a pele do sol e para evitar picadas de insetos. Fazer óleo com as sementes.

https://www.comprazen.com.br/imgblog/uso-ervas-saude-equilibrio-imagem-nosso-blog.jpg



AS DIFERENTES FORMAS DE PREPARO

Existem várias maneiras de consumir as ervas usufruindo suas qualidades terapêuticas: das mais simples, em sucos e saladas, às mais elaboradas, como pomadas, passando pela popularidade dos chás e a sofisticação dos licores. 

Assim, vão nos oferecendo seus benefícios, seja para embelezar, seduzir, aliviar dores e tensões, reequilibrar energias, seja simplesmente proporcionar bem-estar. 

É importante que cada um consulte seu médico antes de utilizá-las para saber se no seu caso não há nenhuma contraindicação, principalmente para mulheres grávidas. Algumas ervas podem causar reações alérgicas ou irritações na pele, por exemplo.

Chá ou tisana

Para fins terapêuticos ou como saborosa bebida, trata-se de uma das formas mais populares e práticas do consumo de ervas.

- Se não for seguir uma dosagem específica (recomendada com fim medicinal), usar a proporção de uma colher (chá) da planta para uma xícara de água;

- Quando a água estiver fervendo, colocar a(s) erva(s) amassada(s) e deixar cozinhar por 2 minutos;

- Se for utilizar mais de uma espécie, lembrar que raízes, cascas, talos e galhos requerem um tempo de cozimento superior ao das folhas e flores, não devendo ser preparados num mesmo recipiente;

- Apagar o fogo e deixar descansar por 10 minutos;

- Para uso terapêutico, o chá deve ser bebido morno ou quente, exceto quando a pessoa a ser tratada estiver em estado febril. 

Nesses casos, a bebida deve ser ingerida fria;

- Recomenda-se de duas a quatro xícaras por dia;

- Os açúcares anulam os princípios ativos das plantas e devem ser evitados. 

A exceção pode ser o mel de abelha puro, mesmo assim só aconselhado para salientar a característica expectorante de algumas ervas que combatem os males dos pulmões, como tosses catarrais, bronquites e asma;

- Sempre dê preferência aos chás preparados com ervas frescas. 

No entanto, chás com ervas desidratadas também são eficientes. 

Mas essas ervas secas têm validade de, no máximo, oito meses. 

E, se for adquirir as ervas em lojas especializadas, procure se certificar da seriedade do estabelecimento e se as plantas foram colhidas e estocadas corretamente;

- Logo após o preparo, depois de fria, deve-se acondicionar a bebida em recipiente hermeticamente fechado e colocá-la no refrigerador. Recomenda-se o uso num período de até 6 horas;

- Beber tisanas (é um tipo de infusão que consiste em adicionar ervas medicinais a água a ferver durante cinco ou seis minutos num recipiente tapado. 

Após esse tempo retira-se o recipiente do fogo, deixando descansar - ainda tapado - por cerca de 15 minutos) junto com a comida pode provocar problemas estomacais. Elas dever ser consumidas pouco antes ou pouco depois das refeições.

Infusão

É a retirada dos princípios ativos da planta com o uso de um líquido quente, que pode ser água ou leite. 

Entanto os chás são mais consumidos de forma quase despretensiosa, apenas pelo prazer que proporcionam, os infusos têm uma função especificamente terapêutica, sendo a fórmula mais eficiente quando o objetivo é um tratamento de alguma enfermidade. 

A infusão pode ser feita com flores e folhas tenras.

- Utilizar um recipiente de vidro, louça, ágata ou inox. Não usar alumínio, que solta partículas;

- Despejar 2 xícaras de água fervendo sobre 1 colher (sopa) da erva já amassada;

- Deixar repousar, tampado, durante 10 minutos;

- O preparo mantém suas propriedades por até 6 horas.

Decocção ou cozimento

Trata-se de extrair os princípios ativos de uma planta pelo cozimento, indicado para o consumo das partes mais duras da planta, como raízes, troncos, talos, cipós, sementes ou folhas duras.

- Colocar num recipiente 2 colheres (sopa) da erva bem triturada e batida, cobrir com 1 litro de água (ou leite) fria;

- Cozinhar em fogo baixo até a redução do líquido pela metade;

- Coar para beber (pode ser guardado coado);

- Para adoçar, se achar necessário, só mel de abelha puro;

- O efeito medicinal da bebida dura 12 horas.

Suco

Indicados para quem opta por uma alimentação mais saudável.

- Imersas na água, as ervas são trituradas em um pilão, liquidificador ou máquina de moer;

- Em seguida, se preferir, passar tudo em coador.

Maceração

- Usado para a fabricação de óleos, pomadas e elixires, é o método em que mais e preserva os sais minerais e as vitaminas das plantas.

- Amassar a planta no pilão e deixá-la de molho em líquido frio, que pode ser água, leite ou álcool de cereais;

- Todas as partes da planta podem sofrer maceração.

Tintura-mãe

Trata-se de um método que viabiliza o uso de plantas que nem sempre estão à disposição, já que o seu tempo de duração é bastante longo (por muitos e muitos anos) se guardado em local seco e escuro. Sua finalidade é a mesma dos outros métodos. São consumidas em gotas dissolvidas em água. A tintura-mãe é também a base para o preparo de pomadas, banhos e compressas.

Pomada

Para preparar pomada.

- Usar 5 medidas tintura-mãe, 5 medidas de lanolina anidra e 5 medidas de vaselina;

- Misturar aos poucos a tintura com a lanolina, batendo até conseguir uma mistura homogênea;

- Depois, acrescentar a vaselina e mexer para misturar bem;

- O tempo de validade das pomadas é bem longo (por muitos anos), pois a tintura-mãe atua como conservante.

Unguento

Enquanto as pomadas são feitas com tintura-mãe, o que lhes garante uma longa duração, os unguentos usam o suco fresco da erva e, por isso, duram, no máximo, uma semana, na geladeira.

- Para extrair o sumo da planta, amassar a erva no pilão e pingar sobre ela algumas gotas de água fervendo. Continuar amassando, até formar uma papinha. Enrolar num de algodão ou gaze e espremer para tirar o sumo;

- Para 1 medida de sumo fresco de erva, usar o dobro de gordura (animal, vegetal, manteiga, vaselina ou leite);

- Cozinhar em banho-maria até formar uma mistura homogênea.

Xarope

Muito usado como auxiliar no tratamento de tosse e bronquite, são feitos de vegetais macerados, misturados ao mel. Para o seu preparo, utilizar uma ou mais ervas, natural ou em tintura-mãe.

Licor

Os licores também podem ser utilizados para fins terapêuticos ou para degustação. Pode-se prepará-los com várias plantas, como camomila, menta, erva-doce, cravo, canela, anis e rosas. Sua maior vantagem é o aumento da duração das propriedades das respectivas plantas.

- Em uma garrafa, colocar a erva desejada e cobrir com vinho branco;

- Deixar a garrafa em pé por 1 dia e, no dia seguinte, deitá-la. Repetir esse processo por 7 dias;

- Filtrar; acrescentar 200 gramas de mel e guardar em local escuro por 2 meses.

Óleo terapêutico

Têm ação energizante e, além de aliviar dores, podem ser usados para massagem, hidromassagem e limpeza. São preparados com a maceração da planta desejada em um óleo, que serve de veículo para extração de suas propriedades terapêuticas. Esse óleo pode ser gérmen de trigo, semente de uva, girassol, amêndoas, abacate ou gergelim, por exemplo. Para preparações, usar ervas completamente secas. Se ainda estiverem verdes ou úmidas, o óleo estragará em pouco tempo.

- Colocar as ervas bem secas em recipiente de vidro ou cristal e cobri com óleo escolhido;

- Colocar em local com claridade e deixar descansar por 21 dias;

- Filtrar em pano de algodão, espremer bem e distribuir a solução em vidros;

- Se desejar, para aumentar o aroma acrescente uma gosta de essência da mesma planta para cada frasco.

Óleo para culinária

Também podemos fazer óleos condimentados para temperar saladas e outros usos na culinária. Pode-se, por exemplo, incrementar o azeite de oliva com ervas aromáticas maceradas, como manjericão, sálvia, alecrim, estragão, tomilho e orégano. Para isso, colocar as ervas desejadas num recipiente, cobrir com óleo de oliva, soja ou girassol e deixar descansar por 21 dias (assistir vídeo abaixo).

Compressa

As compressas utilizam decocção ou infusão das ervas apropriadas. 

As frias podem ser usadas para ajudar a controlar febres (aplicadas sobre testa, fronte e nuca) e aliviar dor em casos de ferida (aplicadas sobre o local). 

As compressas quentes aliviam dores estomacais decorrentes de gastrites, dores de barriga e cólicas menstruais, além de auxiliar no tratamento de males como furúnculos e abscessos, bronquite, asma e dores nas articulações, também aplicadas sobre o local a ser tratado. 

É recomendável procurar orientação médica sobre o uso das compressas antes de aplicá-las.

- Mergulhar na infusão ou decocção a parte do meio de uma toalha, segurando suas pontas;

- Torça muito bem e aplique sobre a parte desejada, cobrindo com outra toalha para manter o calor;

- Repita o processo sempre que esfriar. Pode-se esquentar a água várias vezes.

Inalação

Indicada para aliviar as vias respiratórias e para auxiliar na limpeza da pele consiste em inspirar o vapor da fervura de determinada planta.

- Cozinhe duas colheres (sopa) da respectiva planta em um litro de água e inale o vapor;

- É muito importante manter o corpo aquecido e não sofrer nenhum golpe de frio (por ventos ou bebidas) nas duas horas seguintes da inalação.

Máscara

Usando a argila medicinal, as máscaras limpam, hidratam, regeneram e revitalizam a pele. Devem ser deixadas sobre a pele por 30 minutos. 

Pode-se usar ervas, frutas e alguns outros produtos naturais que fazem bem à pele, como mel, leite, iogurte, soro de coalhada, lecitina de soja, levedura de cerveja, vinagre de maçã, limão, frutas, legumes, farinha de aveia, amêndoas e todos os óleos para a pele. 

Lembrando sempre de consultar antes seu médico para saber se, no seu caso, não há contraindicações.



Fonte: Flores e Ervas, de Cláudia Bochat & Maly Caran, Editora Caras