sábado, 12 de março de 2016

EQUILÍBRIO E HARMONIA - GLÂNDULA TIMO E A ESPIRITUALIDADE

PODEROSA GLÂNDULA TIMO


RESPONSÁVEL PELO NOSSO SISTEMA IMUNOLÓGICO



Na anatomia humana, o timo é um órgão linfático que está localizado na porção antero-superior da cavidade torácica. Limita-se superiormente pela traquéia, a veia jugular interna e a artéria carótida comum, lateralmente pelos pulmões e inferior e posteriormente pelo coração. É vital contra a autoimunidade. Ao longo da vida, o timo involui (diminui de tamanho) e é substituído por tecido adiposo nos idosos, o que acarreta na diminuição da produção de linfócitos T.

Histologia

Externamente, o timo é envolto por uma cápsula de tecido conjuntivo, de onde partem septos que dividem o órgão em numerosos lóbulos. Cada lóbulo apresenta uma capa, o córtex, que é mais escura, e uma polpa interior, a medula, que é mais clara. A zona cortical, mais periférica, é onde se encontram pró-timócitos, timócitos e linfócitos Tem diferenciação e maturação; nesta área os capilares são mais fechados para impedir a saída de linfócitos T não maduros para o organismo. A zona medular, mais interna, é onde se encontram pro-linfócitos T e linfócitos T maduros, prontos para se dirigir a órgãos linfóides secundários onde completarão sua ativação, também encontra-se corpúsculo de Hassall.

Fisiologia

Em termos fisiológicos, o timo elabora várias substâncias: timosina alfa, timopoetina, timulina e o fator tímico circulante. A timosina mantém e promove a maturação de linfócitos e órgãos linfóides como o baço e linfonodos. Existe ainda uma outra substância, a timulina, que exerce função na placa motora (junção dos nervos com os músculos) e, portanto, nos estímulos neurais e periféricos, sendo considerada grande responsável por uma doença muscular chamada miastenia grave.

Glândula TIMO- A chave da imunidade e da energia vital.

A Glândula Timo

Timo - As sete glândulas endócrinas no homem

A GLÂNDULA TIMO

Do grego, Thymus, significa energia vital. O timo situa-se na porção superior do mediastino
anterior. Limita-se, superiormente, com a traquéia, a veia jugular interna e a artéria carótida
comum. Lateralmente, com os pulmões, e inferior e posteriormente com o coração. Sua cor é
variável. Vermelha no feto, branco-acinzentada nos primeiros anos de vida e, depois,
amarelada. O timo, plenamente desenvolvido, é de formato piramidal, encapsulado e formado
por dois lobos fundidos.
Por ocasião do nascimento pesa de 10 a 35g e continua crescendo de tamanho até a
puberdade, 15 anos, quando alcança um peso máximo de 20 a 50g. Daí por diante sofre
atrofia progressiva e passa a pesar pouco mais de 5 a 15g no idoso. O ritmo de crescimento
tímico na criança e de involução no adulto é extremamente variável e, portanto, difícil
determinar o peso apropriado para a idade. Contudo, o timo continua a exercer sua função
protetora, com a produção complementar de anticorpos, mesmo que nesse período seu
desempenho já não seja vital, pois há uma compensação pela proteção imunológica conferida
pelo baço e nodos linfáticos, ainda imaturos nos recém-nascidos.

O TIMO E OS LINFÓCITOS T

Externamente, o timo é revestido por uma cápsula de tecido conjuntivo, de onde partem
septos que dividem o órgão em numerosos lóbulos. Cada lóbulo apresenta uma capa, o
córtex, que é mais escura, e uma polpa interior, a medula, que é mais clara. Tanto a zona
cortical quanto a medular apresentam células de estrutura epitelial misturadas com um
grande número de linfócitos T e, ocasionalmente, células B e macrófagos.
Em termos fisiológicos, o timo elabora uma substância, a timosina, que mantém e promove a
maturação de linfócitos e órgãos linfóides como o baço e os linfonodos. Reconhece-se, ainda, a
existência de uma ou outra substância, como a timina, que exerce função na placa mioneural
(junção de nervos com músculos) e, portanto, nos estímulos neurais e periféricos, sendo
responsável por doenças musculares.

MENTE X SISTEMA IMUNOLÓGICO 

Os linfócitos T e B têm receptores na superfície de suas células que podem acionar, dirigir e
modificar suas funções imunológicas. Esses receptores são a base molecular da influência da
mente nos linfócitos. Os receptores são como fechaduras que podem ser abertas para acionar
as atividades de cada célula. As chaves que abrem essas fechaduras são as moléculas
mensageiras da mente-corpo: os neurotransmissores do sistema-nervoso autônomo, os
hormônios do sistema endócrino e os imunotransmissores do sistema imunológico.

4.5 A TIMOSINA
A timosina pode servir como imunotransmissor, modulando os eixos hipotalâmicos
hipofisário-suprarrenal e das gônadas. O sistema nervoso seria capaz de alterar o curso da
imunidade via caminhos autônomo e neuroendócrino.
Alguns trabalhos concluem que os humanos podem treinar a si mesmos para facilitar seus
processos de cura interna mente-corpo.

No meio do peito, bem atrás do osso onde a gente toca quando diz "eu", fica uma pequena glândula chamada timo.

Seu nome em grego, thýmos, significa energia vital. Precisa dizer mais?

Precisa, porque o timo continua sendo um ilustre desconhecido. Ele cresce quando estamos contentes, encolhe pela metade quando estressamos e mais ainda quando adoecemos.

Essa característica iludiu durante muito tempo a medicina, que só conhecia através de autópsias e sempre o encontrava encolhidinho.

Supunha-se que atrofiava e parava de trabalhar na adolescência, tanto que durante décadas os médicos americanos bombardeavam timos adultos perfeitamente saudáveis com megadoses de raios X achando que seu "tamanho anormal" poderiam causar problemas.

Mais tarde a ciência demonstrou que, mesmo encolhendo após a infância, continua totalmente ativo; é um dos pilares do sistema imunológico, junto com as glândulas adrenais e a espinha dorsal, e está diretamente ligado aos sentidos, à consciência e à linguagem. Como uma central telefônica por onde passam todas as ligações, faz conexões para fóra e para dentro.

Se somos invadidos por micróbios ou toxinas, reage produzindo células de defesa na mesma hora.

Mas também é muito sensível a imagens, cores, luzes, cheiros, sabores, gestos, toques, sons, palavras, pensamentos.

Amor e ódio o afetam profundamente.

Idéias negativas têm mais poder sobre ele do que vírus ou bactérias.

Já que não existem em forma concreta, o timo fica tentando reagir e enfraquece, abrindo brechas para sintomas de baixa imunidade, como herpes.

Em compensação, idéias positivas conseguem dele uma ativação geral em todos os poderes, lembrando a fé que remove montanhas.

O TESTE DO PENSAMENTO

Um teste simples pode demonstrar essa conexão.

Feche os dedos polegar e indicador na posição de o.k, aperte com força e peça para alguém tentar abrí-los enquanto você pensa "estou feliz". Depois repita pensando " estou infeliz".

A maioria das pessoas conserva a força nos dedos com a idéia feliz e enfraquece quando pensa infeliz. (Substitua os pensamentos por uma bela sopa de legumes ou um lindo sorvete de chocolate para ver o que acontece...).

Esse mesmo teste serve para lidar com situações bem mais complexas.

Por exemplo, quando o médico precisa de um diagnóstico diferencial, seu paciente tem sintomas no fígado. Usando lâminas com amostras, ou mesmo representações gráficas de uma e outra hipótese, testa a força muscular do paciente quando em contato com elas e chega ao resultado.

As reações são consideradas respostas do timo e o método, que tem sido demonstrado em congressos científicos ao redor do mundo, já é ensinado na Universidade de São Paulo (USP) a médicos acupunturistas.

O detalhe curioso é que o timo fica encostadinho no coração, que acaba ganhando todos os créditos em relação a sentimentos, emoções, decisões, jeito de falar, jeito de escutar, estado de espírito...

"Fiquei de coração apertadinho", por exemplo, revela uma situação real do timo, que só por reflexo envolve o coração.

O próprio chacra cardíaco, fonte energética de união e compaixão, tem mais a ver com o timo do que com o coração- e é nesse chacra que, segundo os ensinamentos budistas, se dá a passagem do estágio animal para o estágio humano.

"Lindo!", você pode estar pensando, "mas e daí?".

Daí que, se você quiser, pode exercitar o timo para aumentar sua produção de bem estar e felicidade.

Como?

Pela manhã, ao levantar, ou à noite, antes de dormir:

a).. Fique de pé, os joelhos levemente dobrados. A distância entre os pés deve ser a mesma dos ombros. Ponha o peso do corpo sobre os dedos e não sobre o calcanhar e mantenha toda a musculatura bem relaxada.

b).. Feche qualquer uma das mãos e comece a dar pancadinhas contínuas com os nós dos dedos no centro do peito, marcando o rítmo assim: uma forte e duas fracas.

Continue entre três e cinco minutos, respirando calmamente, enquanto observa a vibração produzida em toda a região torácica.

O exercício estará atraindo sangue e energia para o timo, fazendo-o crescer em vitalidade e beneficiando também pulmões, coração, brônquios e garganta. Ou seja, enchendo o peito de algo que já era seu e só estava esperando um olhar de reconhecimento para se transformar em coragem, calma, nutrição emocional, abraço.

EXERCÍCIOS PARA A GLÂNDULA TIMO


EXERCÍCIO 1
[Estimulação do Timo]


Fazer pequenas “batidinhas’ com a polpa dos dedos no esterno (localizado aproximadamente a 2 dedos abaixo da clavícula).
Faça estas “batidinhas” ao redor desta região, explorando e sentindo estas vibrações. Sinta o aquecimento produzido nesta região.


EXERCÍCIO 2
[Abraçar o ombro]

Em pé, tronco ereto, com o braço direito “abrace” o ombro esquerdo [ver fig.].

Coloque a mão um pouco abaixo do ombro esquerdo e vá “caminhando” com os dedos em direção à escápula esquerda o máximo que puder. Faça o mesmo com o braço esquerdo. Sinta a presença do Timo.


EXERCÍCIO 3
[Contraindo e expandindo o Timo]



De pé, braços soltos ao longo do corpo, volte as palmas das mãos para fora e girando os braços, una o dorso das mãos em frente ao abdômen e expire todo o ar dos pulmões.

A seguir, desfaça a posição e abrindo os braços leve-os para trás, abrindo o peito e inspirando. Abra os braços até que as palmas das mãos se encontrem atrás [nas costas], e se unam na altura do osso sacro. Faça algumas vezes este movimento.




EXERCÍCIO 4
[Mãos na nuca e cotovelos abertos]

Erga os braços e coloque as mãos entrelaçadas sobre a nuca, os cotovelos abertos. Abra o peito inspirando e levando os cotovelos para trás, sem tirar as mãos da nuca.

Sinta a expansão produzida por este movimento simples, permita-se saborear a sensação de espaço, liberdade, desobstrução.

Ao expirar, junte os cotovelos à frente suavemente. Coloque sua atenção no timo. Faça algumas vezes. Quando perceber que alguém próximo a você se encontra acabrunhado, comprimido por problemas, aconselhe este movimento.

FINALIZAÇÃO
[Garras de urso e movimento da gangorra]

Enganche suas mãos [como garras de urso] em frente ao peito. Abra bem os braços deixando-os paralelos ao peito

Inicie um movimento com os cotovelos, levando um em direção ao “Céu” (pra cima) e outro em direção à “Terra” (pra baixo).

Eleve primeiro o cotovelo direito (o esquerdo desce em direção à Terra), depois suba o esquerdo (lembra uma gangorra) e o direito desce em direção à Terra.

Faça com os músculos das costas relaxados, não aplique força.
Não permita nenhuma tensão muscular.

Estimule o timo o máximo que puder, faça amizade com esta glândula.
Ela produz alegria e dependemos dela para equilibrar o sistema imunológico.




Por favor, respeite todos os créditos ao compartilhar
http://stelalecocq.blogspot.com/2015/04/glandula-timo-e-espiritualidade.html
Fonte: http://aoencontrodaalma.blogspot.com.br/2009/06/exercicios-especificos-glandula-timo.html
Fonte - http://portalarcoiris.ning.com/group/Cosmos/forum/topics/glandula-timo-e-a-espiritualidade